Muitas praias da baixada santista foram reprovadas, confira como estão as praias do Vale do Ribeira

Saiba como é medida a qualidade das águas

10/01/2018 - 00:26 hs

Verão, férias e muita praia para a maioria dos paulistanos. Essa é a melhor época para aproveitar o sol, mas a atenção deve estar voltada para as condições das praias e suas águas. No ano de 2017 registrou-se uma melhora na qualidade das praias e cerca de 43% delas se mantiveram próprias o ano todo. Já em 2016 essa porcentagem foi de 37%. Em 2013 eram apenas 15%.

A Companhia Ambiental do Estado de São Paulo – CETESB avalia a qualidade das praias semanalmente, coletando amostras de água do mar nos finais de semana, em 167 pontos, distribuídos em 150 praias de Ubatuba a Ilha Comprida, além de 7 praias na Ilha Anchieta.

Mapa de Qualidade das Praias.
Clique no Mapa e veja a Qualidade das Praias

Uma amostra da água é coletada para início do trabalho. Uma equipe de técnicos realiza essa coleta em pontos estratégicos. Em cada praia estudada o técnico entra no mar com água na altura da cintura e com um frasco devidamente esterilizado a 20 cm da superfície  coleta o líquido.

Ao final do dia as amostras são levadas, para os laboratórios das Agências Ambientais de Cubatão e Taubaté, para a realização de análises microbiológicas. Mensalmente, são analisadas cerca de 700 amostras de água, o que corresponde a um total de 8500 amostras por ano.

Histórico do Programa

O Programa de Balneabilidade das Praias Paulistas é desenvolvido pela CETESB desde 1968, com o início das amostragens limitado às praias da Baixada Santista, estendendo-se posteriormente a todo o litoral.

Hoje, o programa segue os critérios estabelecidos na Resolução do Conama n.º 274/00. Publicada em dezembro de 2000, a nova resolução introduziu novos indicadores de contaminação fecal e manteve a classificação das praias de acordo com as densidades resultantes de análises feitas em cinco semanas consecutivas.

Fonte: news.portalbraganca.com.br