Menina de 1 ano e nove meses aguarda por cirurgia

Família é carente e passa por momentos de angústia e necessidade

07/02/2018 - 10:00 hs

Menina de 1 ano e nove meses aguarda por cirurgia

Família é carente e passa por momentos de angústia e necessidade

Lívia Maria, de apenas 1 ano e nove meses de vida, sofre de uma doença rara e precisa de um cirurgião pediátrico especializado. Desesperada, nesta segunda-feira (05) Tatiane, mãe de Lívia, fez um desabafo nas redes sociais pedindo ajuda para sua filha.

Lívia sofre de Higroma Cistico e tem um tumor no pescoço. Como paliativo ele precisa ser drenado para aliviar as dores, mas com o crescimento do tumor e por estar cada vez mais difícil o processo de drenagem, a cirurgia foi recomendada. Segundo informações da mãe que recebeu o diagnóstico da equipe médica, uma cirurgia resolveria o problema e eliminaria o tumor, mas, ainda segundo a mãe, não há no Vale do Ribeira um cirurgião especializado no caso e nem leito de UTI pediátrica, por isso Lívia está em uma fila de espera aguardando vaga para transferência.



A mãe de Lívia, é mãe solteira e não consegue trabalhar para poder dar os cuidados que a filha precisa e acompanhar no seu tratamento. Devido todos estes problemas sua situação financeira é muito precária e ajuda com alimentos, produtos de higiene e até mesmo ajuda financeira se faz tão urgente quanto a cirurgia.



Quem puder colaborar com alguns desses itens entre em contato pelo telefone:
(13) 99772-7754 – Fernanda

Qualquer ajuda no sentido de agilizar a cirurgia ou amenizar a dificuldade financeira que a família atravessa, é bem vinda.

O que é Higroma Cistico

O higroma cístico, também chamado de Linfangioma, é uma doença rara, caracterizada pela formação de um tumor benígno em forma de cisto que ocorre devido a uma má formação do sistema linfático durante a gestação ou durante a vida adulta, cujas suas causas ainda não são totalmente esclarecidas.

Geralmente seu tratamento é feito com o uso de uma técnica chamada escleroterapia, onde é introduzido um medicamento dentro do cisto que leva ao seu desaparecimento, mas a cirurgia pode ser indicada dependendo da gravidade do quadro.

Diagnóstico do higroma cístico

O diagnóstico do higroma cístico no adulto pode ser feito através da observação e da palpação do cisto, mas o médico poderá pedir exames como o raio-x, tomografia, ultra-som ou ressonância magnética, para verificar a composição do cisto.

O diagnostico do higroma cístico durante a gestação ocorre através de um exame chamado translucência nucal. Neste exame o médico poderá identificar a presença do tumor no feto e assim alertar os pais para a necessidade de tratamento após o seu nascimento.

Sintomas do higroma cístico

Os sintomas do higroma cístico variam de acordo com a sua localização.

Quando surge na vida adulta, os sintomas do higroma começam a ser percebidos quando o indivíduo nota a presença de uma bolinha dura em algum local do corpo, que pode aumentar de tamanho aos poucos ou rapidamente, causando dor e dificuldade em movimentar-se.

Geralmente a região do pescoço e das axilas são as mais afetadas no adulto, mas o cisto pode surgir em qualquer local do corpo.

Tratamento para higroma cístico

O tratamento para o higroma cístico é feito com o uso da escleroterapia e com a punção do tumor. Dependendo da sua localização pode haver indicação cirúrgica, mas esta não é a melhor opção pelo risco de infecção ou outras complicações que pode trazer.

Um dos medicamentos mais indicados para o tratamento do higroma cístico é o OK432 (Picibanil), que deve ser injetado dentro do cisto com auxílio de uma ultra-sonografia para guiar a punção percutânea.

Se o cisto não for retirado o fluido que ele contém pode infectar e tornar a situação mais perigosa, por isso é importante realizar um tratamento para a retirada do higroma o quanto antes, contudo o paciente deve ser informado que o tumor pode voltar a aparecer algum tempo depois.

 

Por vezes pode haver a necessidade de realizar algumas sessões de fisioterapia após a retirada do cisto para diminuir a dor e facilitar a movimentação da articulação afetada, se for o caso.