Preso em flagrante foragido da justiça por roubos e homicídio

Homem é condenado ha 78 anos de prisão

Por Redação 12/04/2018 - 19:00 hs

Nesta quinta-feira (12), por volta das 6h30 da manhã, durante operação de combate ao crime, Policiais Rodoviários Federais flagraram um homem usando documento falso, que era utilizado para esconder sua verdadeira identidade: a de um homem condenado a 78 de prisão por vários roubos e ao menos um homicídio.

Além disso, possivelmente o fornecedor dos documentos estava com ele. Ambos foram detidos. O flagrante ocorreu no Km 525 da Rodovia Régis Bittencourt, na cidade Barra do Turvo.

A ocorrência se deu quando os policiais abordaram o automóvel VW Gol de cor cinza e placas de São José dos Pinhais/PR.

Questionado, o passageiro acabou por admitir que o documento era falso e que iria a São Paulo para conseguir outros documentos. Ele também portava uma certidão de nascimento e um comprovante de endereço, também falsos. Quanto ao motorista, um homem de 52 anos, num primeiro momento, disse apenas que estava dando carona ao conhecido e que não sabia que ele usava documentos falsos.

Durante o registro da ocorrência, descobriu-se a verdadeira identidade do passageiro, sendo um foragido da Justiça do Estado do Paraná, com 78 anos de pena a cumprir, tendo em vista vários roubos e ao menos um homicídio. Além disso, o motorista, a princípio inocente, foi acusado pelo passageiro de ser o fornecedor dos documentos falsos, estes adquiridos na capital paulista.

Ainda segundo o foragido, no momento da abordagem, eles se dirigiam à capital paulista para aquisição de outros documentos falsos, como carteira de habilitação e identidade. Pela certidão de nascimento e carteira de reservista o foragido pagou R$ 15 mil.

Após o registro da prisão em flagrante por Uso de Documento, o foragido foi recolhido ao sistema carcerário da região. A Justiça do Estado do Paraná será comunicada da captura do foragido. Já em relação ao motorista, ele foi liberado para responder criminalmente em liberdade pelo crime de Falsificação de Documento, já que não foi possível comprovar que efetivamente ele seja o fornecedor dos documentos.

Participaram desta operação PRFs da Delegacia PRF de Registro.