Pequeno Davi finalmente consegue transferência de Hospital


Pequeno Davi finalmente consegue transferência de Hospital

Após 1 mês e 23 dias de espera, Davi foi transferido nesta quinta-feira (26)

Por Mariana Areco Torres 27/04/2018 - 20:00 hs
Foto: Consaúde
Pequeno Davi finalmente consegue transferência de Hospital
Davi foi transferido nesta quinta-feira (26)

Desde que nasceu, no dia 03 de abril, Davi luta pela vida internado na UTI do Hospital Regional de Pariquera Açu. 

Diagnosticado com cardiopatia congênita muito grave, o pequeno guerreira precisava ser transferido com urgência.    

Após 1 mês e 23 dias de espera, finalmente Davi conseguiu ser transferido de Hospital. 

A transferência aconteceu nessa quinta-feira (26), para o Hospital Dante Pazzanese, na capital paulista.  

Sem tratamento adequado as chances de sobrevivência seriam pequenas, por isso a urgência da transferência para um Hospital que oferecesse tratamento adequado, ou seja, que tivesse cardiopediatra e cirurgia cardiovascular pediátrica.

Neste meio tempo, o bebê teve paradas cardíacas e pneumonia. 

A família, que é de Ilha Comprida, correu contra um tempo que o Davi não possuía até este momento. Amigos e familiares uniram forças para que tudo acontecesse o mais rápido possível. 

Um abaixo assinado e manifestações nas redes sociais contribuíram para que o processo não demorasse ainda mais.  

 

Entenda um pouco sobre o que é Cardiopatia congênita

A doença cardíaca congênita é uma alteração na estrutura do seu coração presente antes mesmo do nascimento. É um termo genérico utilizado para descrever alterações do coração e dos grandes vasos, presentes ao nascimento. Essas alterações ocorrem enquanto o feto está se desenvolvendo no útero e pode afetar cerca de 1 em cada 100 crianças, segundo dados da American Heart Association. É a alteração congênita mais comum e uma das principais causas de óbito relacionados a malformações congênitas.

Segundo dados da sociedade brasileira de cardiologia no Brasil nascem em torno de 23 mil crianças com problemas cardíacos. Dessas em torno de 80% necessitarão de alguma cirurgia cardíaca durante a sua evolução.

As cardiopatias congênitas podem produzir sintomas no nascimento, durante a infância, ou estão só na idade adulta. Em alguns casos, a cardiopatia congênita não causa sintomas.