Sexta-feira (31) é o último dia de vacinação contra a gripe

Segundo a OMS, a imunização de 2019 prevenirá a população-alvo contra o vírus Influenza dos tipos A (H1N1), A (H3N2) e B

Por Redação 30/05/2019 - 20:02 hs
Foto: Reprodução Internet

 

Esta sexta-feira (31) será o último dia da campanha de vacinação contra a gripe. O Governo de São Paulo espera atingir a cobertura vacinal de 90% entre os grupos do público-alvo.

De acordo com o levantamento feito pela Secretaria de Saúde do Estado, a região do Vale do Ribeira imunizou, até o momento, 64,38% do público alvo. A cidade com maior taxa de cobertura vacinal na regiãofoi Ilha Comprida, com 85,46% dos grupos prioritários imunizados e a cidade que apresentou taxa mais baixa de imunização foi Pedro de Toledo com 43,49% da população vacinada.

Vale destacar que o público-alvo da campanha totaliza 13,2 milhões de paulistas e, para atingir a meta, no mínimo 12,1 milhões precisam tomar as doses contra o vírus Influenza.

Foram estabelecidos 8 grupos prioritários para imunizar-se contra o vírus da gripe, são eles: crianças menores de 6 anos de idade; profissionais da saúde; professores; idosos; puérperas, indígenas; pessoas com duas doenças ou mais simultaneamente e gestantes. As pessoas que não estão incluídas nessas categorias devem procurar ir a uma instituição privada a fim de imunizar-se.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Produção

A vacina contra a gripe é produzida pelo Instituto Butantan, unidade vinculada à Secretaria da Saúde. Neste ano, são 64 milhões de doses disponibilizadas ao Ministério da Saúde para a realização da campanha em todo o território nacional.

“A proteção evita complicações futuras, como, por exemplo, as pneumonias”, salienta a diretora de Imunização da Secretaria, Helena Sato. “A vacina não provoca gripe em quem tomar a dose, pois é composta apenas de fragmentos do vírus que causam a devida proteção, mas são incapazes de causar a doença”, acrescenta.

A dose de 2019 prevenirá a população-alvo contra o vírus Influenza dos tipos A (H1N1), A (H3N2) e B, segundo recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS).