Raríssima larva brilhante é encontrada no Vale do Ribeira

A descoberta feita biólogos aconteceu na Reserva Betary, em Iporanga

Por Redação 12/08/2019 - 09:15 hs
Foto: IP Bio

 

Biólogos do Instituto de Pesquisas da Biodiversidade (IP Bio) encontraram, recentemente, larvas de um mosquito que emitem uma luz azul, sendo o primeiro organismo terrestre com esta iluminação em toda a América Latina. A descoberta aconteceu na Reserva Betary, na cidade de Iporanga.

O organismo é a larva de um mosquito que, quando está nesta fase, emite uma luz azul. Até então, os cientistas não tinham conhecimento desta espécie, que possui menos de 2 cm de comprimento com três órgãos que irradiam essa iluminação azul, sendo que dois deles ficam na cabeça e o outro na calda, fenômeno que recebe o nome de bioluminescência.

Por ter sido descoberta na Reserva Betary e em homenagem ao local, a espécie recebeu o nome científico de Neoceroplatus betaryenses. Neste local, um grupo de pesquisadores e voluntários realizam diversos estudo sobre organismos bioluminescentes da Mata Atlântica.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A descoberta se deu quando os biólogos faziam uma observação dos cogumelos na Reserva durante a noite e avistaram o brilho da larva no local. Por se tratar de uma descoberta inédita, o achado despertou o interesse de especialistas em bioluminescência do mundo inteiro, que resultou na publicação de um artigo, denominado: “Neoceroplatus betaryensis nov.sp. (Diptera: Keroplatidae) is the first record of a bioluminescent fungus-gnat in the South America”, elaborado por alunos de três universidades do Estado de São Paulo.

 

Sobre o IP Bio

O Instituto possui sua sede em São Paulo e sua primeira filial na Reserva Betary, na cidade de Iporanga, em uma área preservada de 60 hectares, onde são realizadas pesquisas voltadas ao ensino sobre a Mata Atlântica.

A Reserva está situada numa região com a maior superfície contínua de Mata Atlântica, o local abriga uma grande biodiversidade, como cogumelos bioluminescentes, plantas ornamentais, uma imensidão de anfíbios entre outros e, além de ser um local de pesquisas, também é destinado ao turismo.