Presidente da CONABAN alerta sobre fungo que pode destruir bananais inteiros

Bananicultores precisam se prevenir, doença foi registrada pela primeira vez no continente americano

Por Redação 12/08/2019 - 19:00 hs
Foto: Divulgação

Na última semana, o Instituto Colombiano de Agropecuária (ICA) emitiu um alerta para o continente americano, sobre a doença Raça 4 Tropical Fusarium (R4T), que afetou os bananais do país. De acordo com o presidente da Confederação Nacional dos Bananicultores (CONABAN), Jeférson Magario, a doença já afetou os continentes da Ásia, África e Oceania, matando plantações inteiras e agora chegou na América.

De acordo com o presidente da CONABAN, a doença é terrível e pode causar consequências graves na produção da fruta. “É uma doença devastadora, o histórico no mundo é que onde afetou, acabou com a banana no país. Seria para nós, como se fosse no corpo humano, uma AIDS da bananeira, que ainda não tem cura”, declarou Jeférson Magario.

Ao Registro Diário, Jeférson Magario explica que se trata de um fungo de solo, que ataca as raízes da planta, fazendo com que elas parem de alimentar o pé, causando a morte da bananeira. Segundo ele, no Brasil ainda não há registros da doença, mas até então só havia ocorrido em outros continentes.

De acordo com o presidente da CONABAN, na última quinta-feira (8), o fungo foi confirmado pelo Instituto Colombiano de Agropecuária (ICA), o R4T foi encontrado em plantas hospedeiras, em La Guajira. “A área afetada foi de aproximadamente 250 hectares, dos quais o ICA decidiu erradicar, através do protocolo de queima e desinfecção, esperando que as amostras enviadas à Holanda ratifiquem os temores da indústria da banana nas Américas”, declarou o instituto em nota.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

A Colômbia faz fronteira com o Brasil, gerando preocupação aos produtores e consumidores da região. “Se chegar ao Brasil, irá se espalhar rapidamente, temos meios de barrar essa entrada do fungo de solo, através de ações de contenção, mas, se ela entrar no Brasil e, consequentemente, no Vale do Ribeira, será uma catástrofe muito grande, pois em muitas regiões onde há produção de banana, ela é a principal atividade econômica. Os estados de Minas, Santa Catarina e São Paulo, que realizam bananicultura e podem ser afetados, as consequências com arrecadação de impostos e comércio podem ser devastadoras”, declarou Jeférson Magario.

Treinamento de Contenção realizado por Jeférson Magario

De acordo com o presidente da CONABAN, o Ministério da Agricultura, através da EMBRAPA, lançou uma cartilha, integrando o Plano Nacional de Contenção da doença, com instruções aos produtores para realizarem um trabalho de contenção. “Se os produtores adotarem, com certeza irá diminuir bastante o risco dos bananais serem afetados”, afirmou.

Segundo a CONABAN, no Brasil, atualmente há em torno de 5 mil propriedades de bananal e 500 mil hectares de área, o que torna a situação muito delicada e difícil, por isso, a contenção deve ser iniciada imediatamente.

O presidente da Confederação ressalta que no Brasil há uma doença parecida com a R4T, o Mal do Panamá 1 e 2, que também são fundos de solo, idênticos ao do alerta, que atinge as variedades da nanica e prata, mas o fungo 4 não tem no país.

Segundo dados do CONABAN, o Vale do Ribeira possui cerca de 26 mil hectares de área plantada e, em alguns municípios, a bananicultura é responsável por quase 80% da economia da cidade, sendo a maior empregadora e distribuidora de renda.

“Não só os produtores, mas também as prefeituras, o comércio e a população no geral, precisam estar atentos com relação a essa doença, pois a bananicultura é uma das atividades econômicas mais importantes, precisa ser preservada e devemos nos unir para conseguir preservar nossa produção”, finalizou Jeférson Magario.

 Para acessar o Plano de Contingência para Fusariose da Bananeira - R4T: CLIQUE AQUI.

Confira a tradução do comunicado de alerta, emitido pelo Instituto Colombiano de Agropecuária (ICA) na íntegra:

“O país vizinho através do gerente geral de Ica, Eng. Dayanira Barrero León, Ing. Cárdenas López, Gerente Adjunto de Proteção de Plantas e o Presidente do SAC, confirmou a presença do Fusarium Raza 4 Tropical em La Guajira.

As primeiras indicações da presença desse temível fungo que já afetou 14 países e os continentes da Ásia, África e Oceania, se encontraram em meados de junho, mas os alertas não foram ligados até que uma inspeção ocular foi feita no local onde O foco do Foc R4T foi suspeito de ter encontrado plantas hospedeiras.

A área afetada foi de aproximadamente 250 hectares, dos quais o ICA após o local foi decidido a erradicar através do protocolo de queima e desinfecção, esperando que as amostras enviadas à Holanda ratifiquem os temores da indústria da banana nas Américas.

Hoje, essa terrível notícia é conhecida, colocando em xeque a indústria mundial da banana, devido à importância econômica da área do dólar para as exportações mundiais de banana.

Há esperança de que os planos de contenção sejam eficientes e que a doença fique confinada por muito tempo naquele lugar graças aos planos de biossegurança que foram imediatamente adotados pelos países da região. O Equador foi um dos primeiros a ativar seu plano de exclusão com a participação da Agrocalidad, da OIRSA e de todas as autoridades dos ministérios envolvidos no manual e do protocolo de defesa da produção nacional de banana.

No entanto, se a infestação foi confirmada, deve-se ressaltar que isso não significa que a indústria da banana entrará em colapso ou que as exportações de banana da região serão afetadas. Na verdade, o enclave de banana de Magdalena este 2019 teve um crescimento de exportação de 12% em relação ao mesmo período de 2018.

Por outro lado, levará tempo para que o fungo siga seu curso normal para alcançar as plantações de banana do Equador e de outros países. Note-se que a indústria de exportação de banana já vive com esta doença há mais de 15 anos, é o caso das Filipinas considerado um concorrente feroz nas exportações mundiais de frutas.

O Equador está atualmente na fase de adaptação de suas infraestruturas, de acordo com as recomendações da Agrocalidad, especialmente no que diz respeito às armadilhas de banhos para pés, cursos de água e arcos para desinfecção de pessoas e transporte de veículos.

A Banana Export continuará a reportar com moderação e responsabilidade, enquanto as autoridades apresentam ações e propostas para enfrentar o Foc R4T”, declarou o ICA.