Sucos orgânicos produzidos pela Cooperafloresta agora estão na merenda escolar

Mais de 1.700 alunos da pré-escola ao ensino médio são beneficiados

Por Assessoria 12/11/2019 - 10:00 hs
Foto: Divulgação

 

Alunos do município de Barra do Turvo são beneficiados com suco integral e orgânico de laranja e cajá-mirim na merenda escolar. Os sucos são produzidos pela Cooperafloresta - Associação dos Agricultores Agroflorestais de Barra do Turvo e Adrianópolis. No total são 1.700 alunos – da pré-escola ao ensino médio – beneficiados com a inclusão desse item no cardápio. Até o final do ano letivo, serão mais de 12 mil litros de suco orgânico servidos aos alunos das nove escolas do município.

Os dois sabores de suco oferecidos são extraídos das frutas cultivadas nas agroflorestas das famílias associadas à Cooperafloresta e são entregues às escolas prontos para o consumo, em embalagens de cinco litros. “É ótimo poder oferecer aos alunos sucos naturais e orgânicos, sem adição de conservantes, porque o valor nutricional desse alimento é muito maior e também porque valoriza o trabalho dos agricultores locais”, comenta Karine Damaceno, nutricionista da Prefeitura de Barra do Turvo. Além disso, ela ressalta que o suco pronto facilita o trabalho da merenda nas escolas e gera menor volume de resíduos em comparação com as tradicionais embalagens individuais de suco industrializado.

A Cooperafloresta também fornece outros itens à merenda escolar, como a banana-passa e a bananada sem açúcar, ambas produzidas na agroindústria “Fruto da Vida”, unidade de processamento da cooperativa instalada em Barra do Turvo. As farinhas de banana verde e de inhame – também produzidas na agroindústria – são outros itens que devem compor o cardápio da alimentação escolar no município, principalmente na elaboração de receitas de bolos e tortas. Além destes processados, parte das frutas in natura servidas aos alunos, como banana e laranja, também são cultivadas nos sítios agroflorestais associados à Cooperafloresta.

A maioria de nossos alunos vem do meio rural, são filhos de agricultores. Incluir esses produtos na alimentação escolar é uma forma de valorizar o trabalho das famílias agricultoras, de fazer com que os alunos se identifiquem com esse trabalho que tem o maior valor e importância para o município”, reforça a secretária municipal de Educação de Barra do Turvo, Ângela Santos Oliveira Francisco. Ela comenta que 95% dos produtos adquiridos pelo município para a alimentação escolar são fornecidos pela agricultura familiar. 

A nutricionista Karine Damaceno conta que conheceu a pouco tempo os produtos da Cooperafloresta, em visitas à agroindústria e a sítios agroflorestais de famílias associadas e em oficinas e palestras promovidas pela Cooperafloresta, que reuniu nutricionistas, merendeiras, cozinheiras, diretoras e professoras de escolas públicas de Barra do Turvo e de outros municípios do Vale do Ribeira.   

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Nestas atividades, realizadas ao longo dos últimos dois anos através do Projeto “Agroflorestar: Vale do Ribeira”, patrocinado pela Petrobras por meio do Programa Petrobras Socioambiental, as participantes da área da Educação puderam conhecer o funcionamento de uma agrofloresta, observar a variedade de alimentos ali produzida e também experimentar ingredientes diferentes e criar novas receitas para a merenda escolar. 

“Depois de conhecer todo esse trabalho feito por agricultores dentro do próprio município, é importante que sejam reconhecidos, e a educação é um caminho para isso”, ressalta a nutricionista.  Para a secretária da Educação, a inclusão de novos alimentos na merenda, produzidos por agricultores agroflorestais do município, mostra também a importância da diversificação da produção nos sítios, além de incentivar as escolas a trabalharem com produtos e ingredientes diferentes e fazer com que as crianças se acostumem com novos sabores.  

Para o coordenador do “Agroflorestar: Vale do Ribeira”, Artur Dalton Lima, as atividades do projeto foram fundamentais para “aproximar as escolas do trabalho das famílias agricultoras, valorizar a produção dos agricultores locais e fortalecer a parceria da Cooperafloresta com a prefeitura do município”. Ele cita as oficinas em que foram preparadas, junto com as merendeiras, receitas de bolo utilizando somente a farinha de banana, sem ovos e farinha de trigo; ou receitas de torta usando a massa da farinha de inhame com recheio de palmito pupunha, além da apresentação do suco de cajá-mirim, fruta abundante nas agroflorestas de Barra do Turvo. 

O projeto também realizou oficina com merendeiras e nutricionistas do município de Registro, apresentando a diversidade e a qualidade dos produtos das agroflorestas e as diferentes maneiras de utilizá-los na alimentação escolar, com o objetivo de melhorar a qualidade da alimentação de crianças e jovens e a busca pela aproximação cada vez maior das prefeituras com as organizações dos agricultores familiares da região.

Produção da agrofloresta

A produção diversificada das 80 famílias da Cooperafloresta abrange cerca de 120 variedades de alimentos, entre frutas, hortaliças, leguminosas, tubérculos, raízes, cereais e palmito pupunha. A certificação da produção agroecológica é obtida através do Sistema Participativo de Garantia da Rede Ecovida de Agroecologia, composta por mais de quatro mil famílias agroecológicas em diferentes Estados.

Na agroindústria “Fruto da Vida” a Cooperafloresta produz banana-passa, doces de goiaba, laranja e de banana, polpas de juçara e frutas diversas, farinhas de banana verde, de inhame e de pupunha, e produtos desidratados como o açafrão da terra e o gengibre em pó. No circuito da Rede Ecovida é comercializada ainda mais uma linha de produtos agroecológicos, como arroz, feijão, açúcar mascavo, mel, doces, sucos e farinhas. 

Entre os principais canais de comercialização estão cinco feiras orgânicas em Curitiba/PR, lojas especializadas, pequenos varejistas e outros feirantes, vendas por telefone, site e por e-mail com entrega via postal, mercados institucionais e o circuito de comercialização da Rede Ecovida de Agroecologia.

 

Fonte: Agroflorestar Vale do Ribeira